Busca
 
 

Fale conosco! fale conosco!

Calendário



« DESTAQUES »

Formatura do CBM/2023

NOTA DE REPÚDIO

Carta ao PARNASO

CURSOS

As Descidas Vertiginosas do Dedo de Deus (2a Edição)

Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade

Diretoria e Corpo de Guias

Equipamento individual básico

Recomendações aos Novos Sócios

2ª Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade



Quinta-feira, 23 de maio de 2024

Você está em: BoletinsBoletim n°14 - Mai. 2010
Boletim n°14 - Mai. 2010
Livro de Cume‹‹ anterior 
|
 próxima ››Campanha da Sede Própria

Novas Conquistas

1) Des. Arthur Poerner
Pedra da Gávea, PNT
Descida Pouco Inclinada
Investida única: 04 de agosto de 2002
Conquistadores: Leo, Rodrigo, Bonolo, Favre, Clair, Álvaro Corletto, Daniel Farache, Daniel Primo, Marcia Lins e Rodney.

Homenagem ao jornalista, escritor, compositor, autor do fundamental livro “O Poder Jovem”, que descreve de forma bem documentada a trajetória do movimento estudantil na história do Brasil.

A Descida Arthur Poerner está localizada à esquerda da Carrasqueira, permitindo rapel seguro e eficiente de volta à base. Apesar de ter sido conquistada em 2002, esta via está sendo divulgada agora porque o grampo ainda não havia sido duplicado, o que foi feito em excursão do Estágio Supervisionado da ETGE/2009.

2) Fis. Marcos Éboli
Garrafão, PNSO
Escalada Difícil
4 investidas, conquista: 20 de junho de 2009
Conquistadores: Santa Cruz, Tarcisio, Christian, Leandro, Bonolo, Osiris, Terra, Kaercher, Edilso, Valdecir, Antonio Boulanger, Elisangela Lima, Fernanda Lopes e Tatiana Fazolato (ver matéria do Bonolo na página 18 e contracapa).

3) Des. Nelson Mandela
Mãe da Freira, Espírito Santo
Descida Pouco Inclinada
Investida única: 27 de junho de 2009
Conquistadores: Edilso, Josias, Leo, Bonolo, Porto, Rodrigo, Kaercher, Anete Gama, Antonio Boulanger, Carlos Henrique, Clair Pessanha, Jeferson Soares, Luciana Kondo e Roberto Maisenhelder.

Homenagem ao estadista sul-africano Nelson Mandela. Após passar 27 anos na cadeia, liderou a união do seu país e foi o principal responsável pelo fim do execrável regime de apartheid, tendo sido eleito o primeiro presidente negro da África do Sul. Nelson Mandela recebeu com muita justiça o Prêmio Nobel da Paz.

4) Par. Amâncio Silva*
Pedra da Freira, Espírito Santo
Escalada Muito Difícil
19 investidas, conquista: 18 de outubro de 2009
Conquistadores: Edilso, Josias, Valdecir, Leo, Willy, Santa Cruz, Bonolo, Terra, Vinicius, Claudio, Renato e Sandro.

Josias numa das investidas do Par. Amâncio Silva5) Des. Josias de Barros*
Pedra da Freira, Espírito Santo
Descida Muito Inclinada
Investida única: 18 de outubro de 2009
Conquistadores: Edilso, Leo, Josias e Willy.

*ver matéria do Leo na página 24

6) Par. Vital Brazil
Pedra de Inõa, Maricá
Escalada Fácil
2 investidas, conquista: 27 de fevereiro de 2010
Conquistadores: Rafael, Porto, Bonolo, Osiris, Roberto Maisenhelder e André Ribeiro

Homenagem a Vital Brazil Mineiro da Campanha, nascido em 28 de abril de 1865. Formado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro como doutor em ciências médico-cirúrgicas em 1891, trabalhou como médico sanitarista e como clínico no interior de São Paulo.

Depois mudou-se para a capital do estado para pesquisar o ofidismo, quando descobriu a especificidade dos soros antipeçonhentos. O soro que se conhecia até então, descoberto por Calmette na França, não servia para as serpentes americanas.

Em 1899, pesquisando um surto epidêmico em Santos, identificou-o como peste bubônica e promoveu medidas enérgicas para conter a doença trazida e propagada pelos ratos. Ele mesmo contraiu a doença durante suas pesquisas. Ainda convalescente, retornou a São Paulo, quando fundou o Instituto Butantan, na mesma época em que Osvaldo Cruz fundava o Instituto de Manguinhos (hoje Fiocruz). Em 1901 o Instituto Butantan já entregava ao consumo as primeiras doses de soro antipestoso e antiofídico.

Com o intuito de diminuir os acidentes ofídicos nos rincões mais distantes promoveu campanha de esclarecimento aos humildes homens do campo ensinando-lhes medidas de controle, como o uso de botas e proteção dos animais ofiófagos, como o cangambá, a siriema e a muçurana. Praticava então, no início do século, a autêntica ecologia defendendo a preservação de espécies animais que contribuem para o equilíbrio da natureza e principalmente a proteção do homem.

Em 1919 mudou-se para o Rio de Janeiro. Apesar de convidado por Carlos Chagas para trabalhar em Manguinhos, resolveu se lançar, por conta e riscos próprios, na criação de um novo laboratório, por achar que o Brasil necessitava de um número maior de instituições científicas, onde o estudo e a pesquisa se ocupassem da solução de seus graves problemas.

Foram anos e anos de trabalho em condições precárias. Em 1943 foram inauguradas em Niterói as novas instalações do Instituto Vital Brazil (IVB), que passou a produzir, além dos soros antiofídicos, vacinas contra a raiva, a febre tifóide e a difteria e os soros contra a peste bubônica, a disenteria e o tétano. Para uso animal as vacinas contra a aftosa, o carbúnculo e a peste suína.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, grandes organizações farmacêuticas aqui aportaram adquirindo ou se associando aos estabelecimentos mais tradicionais com o intuito de ganhar o mercado farmacêutico brasileiro. O IVB resistiu a essas investidas, fiel ao seu compromisso com a pesquisa científica. Em 1956, ameaçado de fechar as portas com imenso prejuízo, o IVB foi encampado pelo governo estadual, garantindo assim a continuidade de seus fundamentos sociais.

Vital Brazil organizou e criou dois grandes institutos de medicina experimental a partir do nada. De sua obra constam mais de cem trabalhos publicados nas mais diversas revistas especializadas, reconhecidos internacionalmente pela sua qualidade técnica e também pela clareza e exatidão das informações transmitidas pelo autor. Morreu no Rio de Janeiro em 8 de maio de 1950.

“Fiz uma parte do muito que gostaria de fazer pela humanidade. Não tenho orgulho da minha pobre ciência, mas estou satisfeito com minha alma e o meu coração. Para uma alma bem formada não há nada como fazer bem aos outros. O bem que consegui fazer é o que conforta e tranquiliza meu velho coração.” Vital Brazil em entrevista ao programa “Honra ao Mérito”, transmitido pela Radio Nacional em 1949.


Livro de Cume‹‹ anterior 
|
 próxima ››Campanha da Sede Própria

Versão para impressão: