Busca
 
 

Fale conosco! fale conosco!

Calendário



« DESTAQUES »

Carta ao PARNASO

CURSOS

As Descidas Vertiginosas do Dedo de Deus (2a Edição)

Diretoria e Corpo de Guias

Equipamento individual básico

Recomendações aos Novos Sócios

Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade

2ª Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade

Conquistas e Regrampeações Realizadas pelos Signatários da 2ª Carta Aberta

3ª Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade



Terça-feira, 7 de dezembro de 2021

Você está em: BoletinsBoletim n°1 - Jul. 1998
Boletim n°1 - Jul. 1998
|
 próxima ››Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade

Editorial

A UNICERJ foi fundada no dia 17.04.98 com o objetivo de promover a prática do Montanhismo Amador.

Nos perguntam porque fundamos uma nova instituição, quando existem outras que, pelo menos em seus estatutos, preconizam o mesmo objetivo.

Esta pergunta tem várias respostas. Poderíamos simplesmente parafrasear alguns clichês, desprendidos de qualquer intenção valorativa. O Montanhismo, como atividade lúdica e transcendental, é, para nós, essencialmente, fundamentalmente, uma questão de preservação do espírito de companheirismo e amizade entre as pessoas, integrado com todas as maravilhas que a natureza oferece graciosamente.

Todavia, a questão principal que nos fez tomar esta atitude é que hoje existe uma pretensa hegemonia de critérios preestabelecidos para a prática do montanhismo, que para alguns significa uma unanimidade. Poderíamos, singelamente, virar as costas para estes apologistas crentes da técnica como único objetivo e, com a liberdade intrínseca e constitucional garantida a todo cidadão, manter nosso prazer impagável de ir à montanha. Mas, imbuídos de sentimento próprio e fortalecidos pela nossa União, acreditamos que possamos transmitir tudo aquilo que aprendemos na nossa formação, espelhados naqueles que fizeram História no Montanhismo do Brasil com seriedade e competência, resgatando valores adormecidos e anestesiados pela frieza tecnicista e mercantilista.

O desenvolvimento do Montanhismo como atividade produtiva, geradora de trabalho e renda para alguns, não pressupõe o cerceamento do Montanhismo como atividade amadora e de alto nível.

Imaginamos que é possível a coexistência com os profissionais da Montanha que, como toda atividade remunerada, pressupõe em contrapartida um serviço de qualidade. O que não admitimos é a sobrepujança destes, visando elitizar a prática do Montanhismo.

Estamos convencidos de que não somos exceção. Com certeza nossa voz encontrará eco por onde caminhar.

Decidimos, então, nos institucionalizar e assim garantir o direito de qualquer pessoa praticar Montanhismo amador e não competitivo.

Nossa instituição se propõe a formar montanhistas e guias na plenitude de suas potencialidades humanas, com amizade, poesia e verdadeira comunhão com a natureza.

Hoje, quando se fala do Montanhismo, se fala do desenvolvimento técnico, do desenvolvimento econômico e não do desenvolvimento humano. É neste ponto fundamental que divergimos da orientação que tem sido dada ao Montanhismo nos últimos anos.

Seríamos hipócritas e pretensiosos invocando nosso pensamento como verdade absoluta, mas somos verdadeiramente corajosos quando nos propomos a expandir a nossa verdade. Este é o nosso desafio. Garantir nosso direito e o de outras pessoas de cristalizarem a magia do ser e não a insensatez do ter.


|
 próxima ››Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade

Versão para impressão: