Busca
 
 

Fale conosco! fale conosco!

Calendário



« DESTAQUES »

Formatura do CBM/2023

NOTA DE REPÚDIO

Carta ao PARNASO

CURSOS

As Descidas Vertiginosas do Dedo de Deus (2a Edição)

Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade

Diretoria e Corpo de Guias

Equipamento individual básico

Recomendações aos Novos Sócios

2ª Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade



Quinta-feira, 20 de junho de 2024

Você está em: BoletinsBoletim n°10 - Dez. 2005
Boletim n°10 - Dez. 2005
Chaminé Edilso Debarba‹‹ anterior 
|
 próxima ››Como o Bom e Velho Land Rover chegou ao Planalto

Fissura Aleksandra Krijevitch

Nova conquista em Itatiaia

Parafraseando o poeta Pablo Neruda, podemos dizer que todo montanhista que não conhece o Parque Nacional do Itatiaia, não conhece as montanhas do planeta Terra.

De fato o Planalto do Itatiaia, com seu inigualável acervo de monumentos naturais, constitui uma autêntica jóia incrustada na Serra da Mantiqueira. Não foi por acaso que tornou-se o primeiro Parque Nacional do Brasil, em junho de 1937.

Tal qual escreveu Tarcisio no último Boletim, “Itatiaia é um deleite renovado para quem conhece e fascinação para os que vão pela primeira vez”.

Como tem acontecido todos os anos, obtivemos em 2005 autorização do IBAMA para pernoite no Abrigo Rebouças, em dois fins de semana consecutivos, e fizemos várias caminhadas e escaladas pelo CBM e ETGE.

No primeiro fim de semana, contando com a participação maciça de sócios do nosso Clube, concluímos, na Asa de Hermes, a conquista da Fissura Aleksandra Krijevitch. Trata-se de uma escalada difícil, com boas proteções fixas, que também requer uso de equipamento móvel pois as fendas são apropriadas para friends de vários tamanhos.

A escalada se inicia à esquerda da base da Descida Getulio Vargas e prossegue numa linha direta até o Livro de Cume, recentemente colocado pelo Grupo Excursionista Agulhas Negras (GEAN).

O nome escolhido é uma homenagem à nossa amiga Aleksandra Krijevitch, sócia fundadora da UNICERJ. Ela mostrou a todos nós o que é fibra e destemor ao superar graves problemas de saúde no inicio de 2005. Aleksandra começou a praticar montanhismo no CERJ há mais de 30 anos. Fomos companheiros em memoráveis excursões ao Dedo de Deus, à Travessia Petrópolis-Teresópolis, ao K2 e tantas outras.

Quando ela se iniciou no montanhismo eu já escalava há cinco anos e estava começando a cursar a Escola de Guias. Uma das excursões dessa época ficou nitidamente em minha memória, mesmo tendo acontecido há tanto tempo. Foi um acampamento em Itatiaia realizado em julho de 1973. Os Guias eram Salomyth Fernandes e Hélio Paz, dois baluartes do montanhismo, que mais tarde vieram a ser homenageados por nós, com vias de escalada na Serra dos Órgãos: O Diedro Salomyth (1982) e o Paredão Hélio Paz (1983).

Lembro-me que naquela excursão muitas pessoas, inclusive a Aleksandra, estavam indo ao Parque Nacional do Itatiaia pela primeira vez. Naquela época podia-se acampar no Planalto do Itatiaia sem qualquer restrição e o Abrigo Rebouças permanecia sempre aberto aos excursionistas. Por outro lado, não existiam vans como hoje que tanto facilitam o dimensionamento das excursões. Isso significa que tínhamos que conseguir 40 participantes interessados e nesse caso alugar um ônibus – e freqüentemente fizemos isso - ou então tínhamos que ir com nossos próprios carros.

Nessa incrível excursão, um dos carros foi justamente o velho Land Rover, que eu tive a idéia de comprar num ferro velho, no inicio de 1972. Na ocasião, eu tinha 19 anos e isso talvez explique a ousadia. A maior dificuldade para manter o jipe andando era conseguir peças de reposição. Mas sempre se dava um jeito e a gente se divertia muito, não obstante os sustos.

De fato, era preciso pisar no freio com força duas vezes antes que o jipe começasse a parar. Além disso, o volante, vez por outra, saía nas nossas mãos – como nos filmes do Gordo e o Magro – tanto que eu e o Prata, que nos revezávamos como piloto e co-piloto, gostávamos de brincar, assustando os incautos dizendo: “Passe-me o volante” igualzinho nos filmes. Mas o perigo era mais aparente que real: com um pouco de prática a gente percebia que o volante estava para se soltar e imediatamente parava o jipe para apertá-lo com uma chave inglesa. Aleksandra e todos os que participaram da viagem não devem ter se esquecido. O relato do Prata, transcrito na íntegra, a seguir, dá uma idéia do que foi essa aventura.

Por tudo isso, penso que foi muito adequada a escolha do local onde foi feita a conquista para a Aleksandra. Em 1973, ela viu de perto a Asa de Hermes pela primeira vez. Deve ter ficado impressionada. Quem não se admira da beleza singular, inusitada e única da Asa de Hermes?

A conquista foi iniciada no inverno de 2004, na melhor época do ano, num dia muito frio, com o céu completamente azul e a atmosfera diáfana à nossa volta. Leo ficou entusiasmado com as possibilidades que descortinávamos. Sem qualquer pressa, voltamos um ano após, novamente num dia de inverno, tão bonito como são os dias de inverno em Itatiaia. Mais uma vez Leo esteve inspirado e, como prevíamos, foi possível completar esta bela conquista, a Fissura Aleksandra Krijevitch, que veio a ser inaugurada na semana seguinte com a presença da homenageada.

Santa Cruz


Chaminé Edilso Debarba‹‹ anterior 
|
 próxima ››Como o Bom e Velho Land Rover chegou ao Planalto

Versão para impressão: