Busca
 
 

Fale conosco! fale conosco!

Calendário



« DESTAQUES »

Formatura do CBM/2023

NOTA DE REPÚDIO

Carta ao PARNASO

CURSOS

As Descidas Vertiginosas do Dedo de Deus (2a Edição)

Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade

Diretoria e Corpo de Guias

Equipamento individual básico

Recomendações aos Novos Sócios

2ª Carta Aberta aos Montanhistas do Rio de Janeiro e à Sociedade



Quinta-feira, 23 de maio de 2024

Você está em: BoletinsBoletim n°14 - Mai. 2010
Boletim n°14 - Mai. 2010
Par. Amâncio Silva‹‹ anterior 
|
 próxima ››Manutenção do Par. CEPI

Dados Históricos

Um dos muitos grampos encontrados na viaApós a ascensão do Pico do Itabira, realizada em 1947, Amâncio Silva tornou-se amigo de Silvio Mendes e seus companheiros do Rio de Janeiro que conquistaram a monumental escalada.

Amâncio Silva começou então a conquista da Pedra da Freira, na face mais longa e mais exposta da montanha, onde chegou a cravar dezenas de grampos, tendo subido aproximadamente 10% da via. Infortunadamente, numa das investidas ele sofreu um acidente fatal e a sua conquista ficou esquecida por mais de 60 anos.

O acidente causou comoção, pois Amâncio Silva era muito querido em Cachoeiro do Itapemirim, sendo também ponta-esquerda do time da cidade.

Parte da via original com a Cha. Amâncio SilvaEm 1948, Silvio Mendes retornou ao Espírito Santo liderando novamente um grupo do CERJ e, em 6 de junho, com a participação de três escaladores cachoeirenses, conquistou a Pedra da Freira, dando o nome de Amâncio Silva à última chaminé, justamente a que leva ao cume.

Ao contrário do que muita gente pensa, a via original da Freira, restaurada em 1994, nada tem a ver com a conquista onde Amâncio Silva perdeu a vida e por onde ele sonhava atingir o cume da Freira.

A conquista do Paredão Amâncio Silva foi feita graças à persistência do Edilso, que encontrou a sua base após um grande incêndio, participou de todas as investidas e catalisou os esforços para concretizar esse sonho.

Santa Cruz


"Mais uma conquista! Mais uma vitória! Uma luzida equipe de escaladores do CERJ, à frente da qual se encontrava a figura valorosa de Silvio Joaquim Mendes, coadjuvado por Júlio Maria V. de Freitas, Carlos Santos e Cidineidis Viana Barreto, vem enriquecer o patrimônio de glórias do excursionismo nacional com a escalada do Pico da Freira, em Cachoeiro do Itapemirim. Por esse feito, que evidencia, mais uma vez, o esforço e a tenacidade dos nossos esportistas, a família excursionista se sente possuída de justa satisfação."

Extraído na íntegra do Boletim nº 115 do CERJ, publicado em agosto de 1948.


Par. Amâncio Silva‹‹ anterior 
|
 próxima ››Manutenção do Par. CEPI

Versão para impressão: